Crise climática ameaça sobrevivência de 25 milhões produtores de café

SÃO PAULO – As mudanças climáticas representam uma “ameaça significativa” para os meios de subsistência de cerca de 25 milhões de produtores de café, bem como outros atores na cadeia de valor global da commodity, diz ao Café na Prensa Maximo Torero, economista-chefe da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO).

 

Torero afirma que há técnicas e práticas agrícolas capazes de ajudar na adaptação ao impacto das mudanças climáticas, mas que os pequenos agricultores precisam de apoio técnico e financeiro para investir nessas medidas.

“Devido às mudanças nas condições climáticas, tanto a produtividade quanto a qualidade do café são afetadas. O aumento das temperaturas acelera o amadurecimento do café, levando a uma queda na qualidade, enquanto o calor excessivo durante estágios sensíveis de crescimento como floração ou frutificação afeta os rendimentos e favorece a disseminação de pragas e doenças“, diz Torero em entrevista por escrito.

 

O economista diz que técnicas agronômicas e pesquisas genômicas voltadas para o desenvolvimento de variedades tolerantes ao estresse climático estão entre as medidas que podem ajudar. Além disso, afirma, boas práticas agrícolas também contribuem para preservar os recursos do solo e da água, adaptando a produção de café ao aquecimento global.

“No entanto, os agricultores, especialmente pequenos produtores com acesso limitado a recursos, precisam de apoio técnico e financeiro para investir em medidas de adaptação, o que pode aumentar sua resiliência e contribuir para a sustentabilidade do setor de café“, diz.

 

Torero esteve no Brasil no fim de fevereiro para a reunião dos ministros das Relações Exteriores do G20 e acompanhou o diretor-geral da FAO, Qu Dongyu, em visita à sede da Abic (Associação Brasileira da Indústria de Café), onde foi recebido por Pavel Cardoso e Celírio Inácio, respectivamente presidente e diretor-executivo da entidade que representa os industriais do café brasileiro.

Questionado sobre a pressão exercida por setores agropecuários contra regulações ambientais, como os protestos que têm ocorrido na União Europeia, Torero diz que é preciso assegurar um rendimento honesto ao produtor rural, pois só assim ele conseguirá investir em ações climáticas.

 

“Os agricultores são os primeiros impactados pela degradação ambiental; são aqueles que têm mais em jogo e mais envolvidos na gestão dos recursos naturais dos quais suas subsistências dependem. Eles também precisam ser capazes de ganhar a vida decentemente com sua atividade, caso contrário não serão capazes de investir em ações climáticas nem de continuar a agricultura“, diz.

 

“Essencial é também o papel dos agricultores como guardiões dos recursos naturais e o da agricultura como solução para as mudanças climáticas e a degradação ambiental. O que precisa mudar é a forma como abordamos esses desafios, como envolver os agricultores e outros interessados, e também como o valor econômico e os esforços são compartilhados“.

 

Fonte: Peabirus

(*) Com informações da Folhapress

 

AMAURI JR NEWS

Notícias à toda hora!

Email: amaurijunioruela@gmail.com

Site: www.amaurijrnews.com.br

Facebook: Amauri Júnior

Instagram: amauri_juniormg

Tik Tok: amaurijunior_news

Grupos de WhatsApp

Anuncie: (35) 9.9806.5664